Duas dominadoras e um masoquista.


Por incrível que pareça, eu estou me redescobrindo ao interagir com outros dominadores, tenho três relatos com Dom Erik o que causou frisson para o bem ou para o mal. Uns adoraram, outros se assustaram com os valores envolvidos em dinheiro ou por ser um Dom, mas escravo é escravo, o que pensam que são? Escravo tem que se sentir dominado, humilhado e totalmente submisso ao desejo de sua dona, mas quando existem limites em sessões com homens, saibam que por falta de uma, tenho duas amigas dominadoras cheias de vontade de torturar por prazer.
A vantagem de ser dominado pela Senhora Lia é que ela mora com seu submisso e, portanto, se for uma dominação juntamente com o seu escravo, pode ser na casa dela que fica a 5 horas do centro da capital, se for entre mim e a Sra. Lia, terá que ser da mesma forma que nos relatos com Dom Erik, ficamos num Apart Hotel e depois devemos ser levadas para um Motel ou se o submisso tiver uma casa para o encontro, ele paga somente as passagens e o Hotel, em média 250 reais cada uma no apart (1000 reais) e 200 para passagens mais alimentação (500 reais).
Em um fim de semana no ano passado dominamos um masoquista que dei o nome de Nina Castelo que tem a altura de 1,80m. Viaja o mundo todo, agora mesmo veio da Suécia e semana que vem vai à China, fala 3 idiomas, alemão, inglês e francês e com toda essa bagagem ele adora humilhação e privações de sentidos. Todos que me conhecem sabem que minha especialidade é feminização e inversão, mas dessa vez foi bem diferente.
Nina convidou a nós duas para visitá-lo em sua casa na véspera do feriado de natal eu aproveitei e falei: - Escravo escroto, venha nos pegar no apart hotel, que foi reservado por ele antecipadamente para mim e Sra. Lia. - Leve-nos a sua casa imediatamente como nosso chofer e saiba que a partir de agora, será dominado por duas Rainhas. Ao chegarmos ao apartamento, vimos uma casinha de cachorro minúscula, que pertencia a sua ex-dona, era em um terraço e nossa imaginação começou a criar várias cenas.
Fui logo mandando assim que chegamos perto da porta de entrada: Deite-se como carpete, as donas precisam limpar as solas dos sapatos. Ele se deitou na frente da porta e nós duas esfregamos com força nossos pés sobre seu corpo. Já era noite e mandamo-lo tirar nossos sapatos e servir-nos tudo que desejássemos, além de ligar todos os aparelhos tecnológicos que estavam disponíveis e depois de saciarmos o que havia por lá, Sra. Lia deu uma ordem com voz enérgica: - Vá para seu lugar, cachorro pulguento, vai ficar dentro da casinha até eu mandar sair, beberá água e comida como um cão, tire a roupa e durma aí fora pelado...
Naquela noite dormimos como rainhas e ao acordar, abrimos a porta do terraço e ele já estava ajoelhado, postado como um cão sarnento e gritamos dando ordens, cada uma a seu modo, o mandando servir o café, beijar nossos pés, chutava-o para que ele se sentisse atordoado. Quando estávamos ambas sentadas bebendo e comendo o que ele havia nos servido, mandamo-lo ficar debaixo da mesa e comer os restos mastigados do que jogávamos no chão.
Enquanto comia e se rastejava debaixo de nossos pés, ríamos e humilhava-o. Ao mesmo tempo mandava falar como foi sua noite. Ele relatou que ao acordar não sentia mais as pernas. Eu ironizei dizendo que agora colocaríamos câmera na casinha do gás e ele ficaria com uma coleira de eletrochoque depois do nosso café.
Para essa noite a coisa seria muito mais pesada, pois teria que agradar duas donas e para tanto, ele ficaria dentro do armário com dois eletrochoques, um acionado pela Sra. Lia e outro por mim. Colocamos uma coleira para Sra. Lia e no saco para mim, cada um com o controle para dar os choques, caso ele não obedecesse ao que mandávamos fazer, latir, coçar, elogiar, enfim.... Assistimos sua agonia à noite toda e não o deixamos dormir, dando-lhe choques para que ficasse acordado, ele dormiria somente quando as duas dominadoras permitissem e se eu dormisse, a Senhora Lia levaria ele ao banheiro para cenas de scat, prática muita apreciada por ela.  Depois, molhado com urina, e tendo comido o chocolate da Senhora Lia, de vez em quando implorava por água para não desidratar, mas a maior parte seria urina mesmo...
Finalmente o “gran finale” uma hora cusparada, tapas e humilhações intercalado de horas na casinha, preso como um cão na coleira levando choques e muito, mas muito açoite.
Seguramente ele aguentou todas as torturas e apanhou como um escravo bebendo água e urina, dormindo somente na casinha banhado em urina e fezes.
Como não poderia deixar de ser, depois de açoitado e servido a Senhora Lia, com mais torturas e humilhações pesadas, foi invertido e jogado na casinha de novo.

Por Senhora do Castelo.

2 comentários:

  1. Amiga saudades,contado o dia para matar a saudades e judiar muito dos capachos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Férias chegando amiga, logo logo estaremos juntas de novo, capachos é o que não faltam!

      Excluir