Quando eu estou quase no Domspace



Porque eu surro minhas cadelas? Existem muitas dúvidas quanto ao meu sadismo. Sempre fui sádica, dominante e depois que vem um homem com desejos fortes de se feminizar, eu radicalizo para valer, se vai ser minha mulherzinha, minha putinha, tem que ser de fato, com hormônios femininos, sem ereções e muito menos masturbação, eca.
Depois de eles chegarem depilados, com suas bundas sedentas para oferecer-me, fazendo-se de putinhas como minhas vadias, eu mando me agradar de todas as formas, nem preciso pedir mimos e até os instrumentos utilizados, pois eles me dão tudo, hospedagem, as refeições, café de manhã com massagem nos meus pés, enfim, tudo que uma rainha merece e pode obter.
Quando eu falo que serão punidas com chicotadas, aí vem a clemência. Hahahaha. Porque Senhora? Eu mereço isso, já sofro tanto na minha vida, vou ter que apanhar?
Olho firmemente em seus olhos, normalmente baixos e dou-lhe uma bofetada para cair aos meus pés e falo: - Você não questiona, obedece. Não quer ser mulher de Rainha sádica? Eu odeio mulheres, principalmente submissas como você. Elas não se sustentam, são extremamente chatas, não buscam conhecer mais do que a cor do esmalte que usam e ainda são invejosas, falsas e frágeis. Eu tenho vocês para serem minhas marionetes, minhas cadelas, e meu sadismo está fazendo minhas mãos se aquecerem.
Depois de explicar para esses seres rastejantes e totalmente inúteis, eu pego meu chicote e começo a saraivada de surra. Nossa como meu clitóris fica ereto nessa hora e preciso me conter para não entrar num Domspace. Não sou pequenina, sou grande e um trample com vontade nessas vadias pode gerar muito tesão ou até uma fratura hehehehe, depois é claro, tortura naquilo que eles pensam que usam, sacos e pênis, uauuu... Ball Busting para valer e sem safe-word e para batizar, depois de marcas e urrando por clemência, minha chuva dourada e deixar lá, jogados no chão, mijados e sofrendo que se mais uma vez vier rastejando e implorando minha atenção, mas agora, sem perguntas de porque sou sádica.

Por Senhora do Castelo

A super estrutura e a infra



A psicologia social mostrou o que eu sempre acreditei que os indivíduos são considerados um organismo biológico que interage no meio físico, sendo que os processos que ocorrem dentro dele são as causas de seu comportamento.
Cada indivíduo traz consigo tais processos psíquicos que somente podemos conhecer através do que ele consegue passar através de seus atos, cultura e vontades, mas fundamentalmente é um ser que necessita de outros para sobreviver, não se reproduz sozinho e através de sua infraestrutura, isto é, suas necessidades básicas, cria a superestrutura, as idéias sendo um ser histórico-social e a psicologia social nasceram para servir a classe dominante.
Posto isso, eu percebi que eu sou a classe dominante, sim caros escravos e cadelas, eu sou quem domino e posso usar dos meus atributos para reconstruir meu reino, sendo dominante e tendo lacaios submissos desejosos de sentirem-se encoleirados, mas aqui vai uma grande advertência, agora eu seleciono com mais critérios os que poderão ficar sob meu julgo, somente os que tiverem capacidade de se sacrificarem em prol as minhas necessidades, pois sem dor, sem ganho.
Explicando melhor, não é dor física que estou falando, já que levar chicotadas de uma Rainha como eu é só ganho, não é? Quando falo isso me refiro à entrega sabendo que eu terei apenas aquele momento com o escravo, horas, um dia, um fim de semana e depois cada qual vai para suas vidas. Tudo bem, assim é a superestrutura.
O que eu percebo é que cada escravo não quer perder nada, não quer abrir mão de nada e somente beber do meu conhecimento e dominação e não é por aí, se sou Rainha e preciso manter-me como tal, é necessário que o escravo se dedique a isso e por isso existem tributos, mimos, não sou profissional, pelo contrário, mas o que deve ser uma troca justa, tem que partir do meu escravo, ou não é meu?
Eu estou bem assessorada e com mais bagagem para dominar, mais recursos e mais necessidades. Nos momentos de dominar, quero alguém a minha altura, quero escravos libertos de algemas e amarras do seu passado ou de suas vidas mundanas, pois eu já largue minha vida baunilha há muitos anos, décadas na verdade, só preservo minha vida profissional e eu darei na mesma moeda, suas vidas profissionais serão resguardadas, mas as entregas terão que ser mais íntegras, sem mentiras, desculpas ou medos, pois se eu estou falando que sou o que está postado aqui, leram e viram que eu sou, e sabem que somente eu poderei atender os seus desejos e necessidades.
A propósito, hoje tenho outros tipos de necessidades e preciso saber se meus escravos são capazes de atender tudo que pedir e desde já quero avisar os novatos que, descartar pessoas inócuas está sendo muito mais fácil do que antes, pois agora eu compreendo bem que existe uma troca desigual nos nossos encontros, pois eu dou o prazer e recebo quase nada.
Por Senhora do Castelo.

Justiça no Castelo.


Uma das coisas que aprendi nessas décadas todas de dominação é que eu busco a justiça e trago essa palavra de Aristóteles, que fala sobre trocas iguais. Todos sabem que sou sádica e que respeito todos os limites e porque não dizer, o desejo de cada escravo que entra em minha senzala. Para tanto eu necessito de muitas coisas que são invisíveis aos que leem esse blog, coisas de bastidores que agora preciso falar.
Sempre me falaram porque nunca fui para o lado da dominação profissional e a resposta é curta: Sou sádica por natureza e faço somente o que eu quero, mas pensando nisso, eu também faço o que todos querem: Serem subjugados, invertidos, humilhados, surrados e submetidos as mais cruéis torturas psicológicas, além de sentirem realizados, satisfeitos e com todo prazer que buscaram em mim.
O que eu estou sentido nesse exato momento é que existe algo que eu saio perdendo nessa troca de prazeres, pois para que eu seja uma dominadora como todos sonham, eu abro mão de minha carreira, família e gasto muito em estudos, viagens, preparativos, embelezamento e hospedagem, já que a maioria mora confortavelmente em seus lares bem longe de mim, dentro de suas famílias, outros com ex esposas, mas com vínculos de pensão, filhos e por aí vai.
Se estamos falando de justiça, fica evidente que falta muito para sermos justos, não é?
Eu nunca cobrei por sessões, nunca cobrei para acessarem meu blog, que sempre teve o maior nível ético e didático, já que muitos até pedem opiniões, consultas e imploram para que façam com o que eu escrevo no blog.
Felizmente hoje eu posso ver aqueles que estão conscientes da minha posição superior, mais que isso, que veem em mim sua dona real, uma rainha, tutora e que retribuem de forma calorosa todo esforço que faço.
Infelizmente eu vejo também os que só pensam em seu prazer, já que está tudo prontinho, né? Rainha bem produzida, cheio de sadismo para saciar a vontade de cada um, textos e roteiros bem elaborados e fico indignada por eles não sentirem a necessidade de que eu receba tributos, mas agora chega de ser tola. Nenhum desses desprezíveis escravos serão tolerados por uma Rainha do meu nível, em um bom tom para entenderem, esses mesquinhos terão tolerância zero, definitivamente.
Eu não vou tolerar na minha senzala os que são fracassados em suas vidas, que se dividem em uma vida baunilha e deixa somente as sobras para saciarem seus desejos em detrimento dos que realmente se comprometem com meu estilo de vida, os meus escravos sempre fiéis e verdadeiros, que dão o que eu preciso para continuar, dessa forma vou levar muito a sério a troca justa, se eu dou tudo que vocês procuram, também quero ser mimada, receber tributos espontâneo, pois sou Rainha e gosto de ter minhas necessidades supridas, ganhar presentes.
Não me comove mais as súplicas de quem se mostra mais interessado no seu próprio bem-estar, na sua vida privada e não se importa em manter uma relação por igual para com sua dona, poxa vida, eu é que sou a dona e muitos vêm falar de seus problemas, suas vidas, suas esposas?
Nada disso. Mais uma coisa, a partir de agora haverá multa como castigo, isso não é algo novo, mas quero deixar claro no blog que eu não estou brincando. Agora eu sou a lei, eu sou a Senhora do Castelo.

Por Senhora do Castelo.

Ter tutor ou ser tutorada. (Torturada?)


Nessas minhas décadas de prática de BDSM eu aprendi uma coisa, nunca sabemos tudo sobre BDSM, estamos sempre aprendendo e o próprio BDSM está sempre em mudança e eu poderia citar o filósofo Heráclito que diz que a verdade nunca é estática, é sempre um devir ou o contemporâneo Raul Seixas: “Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante a ter aquela velha opinião formada sobre tudo”.
Tudo que aprendi foi lendo, sentindo e aprendendo com quem sabia mais sobre o assunto.
Nos dias atuais eu posso ser tutora de alguém facilmente, uma dominadora ensinando ou formando outra e modéstia parte, eu não tenho tempo para todos que me procuram, tenho que ter ajuda e até para minhas próprias práticas é necessário mais que uma dominadora.
O fato é quem com tantas novas tecnologias, por exemplo, o aparelho de choque para tortura, os mais diversos meios de dominação virtual e meus conhecimentos técnicos em psicologia abriram um leque de variedades de dominação, que me fez buscar um tutor e com ele conheci que existem mais tons entre o branco e preto, existe os 50 tons de cinza.
Muitos podem querer entender ou questionar o fato de eu ser submetida ao treinamento ou as ordens de um tutor.
Em primeiro lugar ele é MEU tutor, eu não contratei um tutor, eu escravizei um tutor, ele é meu, somente quando eu o libertar ele poderá servir a outro, ninguém mais será tutorada por ele a não ser que eu mande ele fazer isso.
Segundo: Eu quem determino o que ele vai fazer, quando, onde e como. Dessa forma eu não peço ou obedeço, eu mando e aprendo.
Terceiro: Qualquer ousadia dele está implícita que será castigado, severamente, diga-se de passagem, tortura física e psicológica sem safe Word, quer dizer, é uma entrega total (TPE).
Por fim e não somente isso, mas para não me estender muito, tudo que ele me ensina é para eu dominar os outros, ele não é usado por mim, ele me deixa melhor, mais grandiosa, mais poderosa e fica babando ao saber que tudo que ele me ensinou, será para meu prazer e se eu desejar para o prazer do outro.
Ele é meu escravo, ele tem minha coleira e tem que prestar contas para sua dona. Aí de ele me decepcionar.... Ou sorte dele, pois terá uma sessão totalmente gratuita. Não sou sua submissa, não sou subserviente, sou a Senhora da sua vontade. Agora, se ele vai ou não gostar é problema dele, pois eu vou gozar.

Por Senhora do Castelo.